top of page

O porquê a Apple não pode ignorar a realidade virtual para sempre!

O Apple Vision Pro está chegando no próximo ano, não apenas criando o tão esperado primeiro headset de realidade estendida (XR) da Fruit Company, mas também estimulando o ressurgimento do interesse público (e provável investimento) no espaço XR. Por US$ 3.500, o Vision Pro é, sem dúvida, um trampolim para as futuras ambições de realidade aumentada da empresa. E, mesmo que aparentemente a realidade virtual esteja sendo ignorada pela Apple, provavelmente isso não acontecerá para sempre.

A impressão que temos hoje é que a empresa está, inicialmente, subestimando os jogos. Eventualmente, entretanto, terá que reconhecer sua importância. Isso porque os jogos em XR são consideravelmente aprimorados por experiências totalmente imersivas e controladores de movimento e a Apple provavelmente começará a sentir a pressão dessa demanda dos jogadores e desenvolvedores quando lançar um headset para consumidores.


O que é o Vision Pro?


Como muitos, a Apple está investindo em AR hoje porque os headsets de amanhã têm uma boa chance de suplantar os smartphones e se tornar a plataforma de computação móvel dominante do futuro. Há muito considerados o santo graal da computação imersiva, os headsets de realidade aumentada representam uma maneira de interagir com novas camadas de informações na vida cotidiana, que abrangem tudo, desde direções curva a curva até aplicativos de jogos, como as direções do Google Maps flutuando na rua, na frente do seu carro, ou uma versão de Pokémon Go para toda a cidade.


É verdade que o Vision Pro ainda não é o tipo de dispositivo que você levará ao parque para pegar um Zubat ou Rattata aleatório – é um dispositivo interno que a Apple imagina que você usará para se sentar e assistir a uma tela de TV virtual ou ter uma conversa envolvente com um colega de trabalho. Mas o discurso inicial do Vision Pro da Apple foi bastante revelador de sua estratégia para o XR


Na parte ‘one more thing’ da palestra da WWDC, a Apple elogiou os recursos de AR do Vision Pro graças às suas câmeras de passagem de cores, interface de usuário impressionantemente responsiva e rastreamento de mão. A empresa se concentrou quase que inteiramente nos benefícios de trabalho e estilo de vida da AR, e muito menos nas capacidades comparativamente mais fechadas e totalmente imersas da realidade virtual.


Considerando quanto tempo e esforço a Apple gastou falando sobre AR, você pode se surpreender ao descobrir que o Vision Pro pode realmente jogar jogos de realidade virtual. Afinal, como o Meta Quest Pro ou o próximo Quest 3, é basicamente um headset VR com câmeras de passagem – o que chamaríamos de headset de realidade mista. Na verdade, o headset já está confirmado para oferecer suporte a um dos jogos de realidade virtual mais proeminentes da VR.


No entanto, uma peça importante está faltando intencionalmente: o Vision Pro não vem com controladores VR e provavelmente não tem planos de suportá-los.


Em vez disso, o Vision Pro está se concentrando no rastreamento ocular e no rastreamento manual como métodos de entrada primários, com suporte para periféricos tradicionais, como teclados, mouses e gamepads, preenchendo as lacunas para trabalho e jogos tradicionais em tela plana. Isso significa que muitos desenvolvedores de VR que buscam o Vision Pro como alvo precisarão reduzir os esquemas de entrada para focar novamente no rastreamento manual ou criar jogos desde o início que não dependam dos gatilhos padrão, botões de controle e sticks.


Ainda assim, muitos jogos de realidade virtual simplesmente não serão traduzidos sem controladores, que acima de tudo fornecem feedback tátil importante, sticks e botões para entradas mais complexas. Além disso, os recursos de jogo de VR em escala de sala do Vision Pro são prejudicados por um limite de 10 pés por 10 pés (3m × 3m). Se o jogador se mover mais longe, a experiência de VR desaparecerá, retornando ao AR padrão do headset. Não existe tal limite para aplicativos AR, colocando VR mais ou menos em um canto virtual.


Denny Unger, CEO do pioneiro estúdio de realidade virtual Cloudhead Games, acerta em cheio em um artigo recente, dizendo que o Vision Pro “parece ser um headset de realidade virtual fingindo não ser um headset de realidade virtual”.


A adoção tardia da Apple

Sem especular muito sobre suas ambições XR, parece que a Apple está virando uma nova página com o Vision Pro. A empresa está se afastando da tradição ao criar um Vision Products Group (VPG) , encarregado de liderar o desenvolvimento de produtos XR. A Apple normalmente distribui seus esforços de desenvolvimento de produtos em departamentos mais gerais, como hardware, software, design, serviços etc., em vez de seccionar o desenvolvimento de hardware em equipes de produtos individuais, como Mac, Watch, iPad, iPhone etc.


E não é só! A empresa também está aceitando publicamente aplicativos para kits de desenvolvimento do headset e hospedando um punhado de ‘laboratórios de desenvolvedores’ em todo o mundo para que o desenvolvedor possa colocar as mãos e cabeças no dispositivo antes do tempo. É uma tática decididamente diferente do que costumamos ver da Apple.


A estratégia mais ampla da empresa ainda parece estar em jogo. A Apple tradicionalmente entra em mercados onde acredita que pode causar um impacto significativo e realmente possuir algo, tornando-se muitas vezes não a primeira, mas em muitos casos, a empresa de Big Tech mais importante a validar um mercado emergente. O paradoxo aqui é que a Apple está realmente adiantada para AR, mas atrasada para VR. Desenfatizar o VR agora bastante maduro em favor de potencialmente criar uma base mais forte para seus futuros dispositivos AR faz um certo sentido vindo da Apple.


Enquanto isso, a empresa está preparando uma continuação mais acessível e focada no consumidor para o Vision Pro. Sempre que a Apple lançar esse headset Vision mais barato para pessoas comuns, elas provavelmente precisarão de mais experiências focadas em entretenimento, incluindo experiências VR totalmente imersivas com controladores VR.


E embora a Apple ainda não esteja posicionando o Vision Pro como óculos de realidade virtual completo, isso não significa que não cederá no futuro, como acontece com muitos recursos que agradam ao público no iOS e que, em muitos casos, só aparecem anos depois de estarem disponíveis no Android. No estilo clássico da Apple, ela poderia anunciar de improviso um par de controladores VR como um acessório caro durante qualquer uma de suas atualizações anuais de produtos e, é claro, fingir que é uma grande conquista.


Outro grande motivo pelo qual a Apple pode eventualmente decidir liberar um futuro headset Vision é seu forte controle sobre a receita de aplicativos. Os headsets XR da Apple estão no mesmo caminho que seus dispositivos iOS, o que significa que a empresa obtém uma fatia da receita de cada aplicativo que você compra no iPhone, iPad e Apple TV.


Desde que a Apple possa garantir a mesma participação de mercado robusta com futuros headsets Vision como faz com o iPhone hoje, que é de cerca de 30%, pode estar mais inclinada a se manter competitiva com empresas mais avançadas em VR. O fato de não estar enfatizando a RV agora, nem mesmo competindo contra ninguém, pode ser uma aposta mais segura, pois se aventura em um território verdadeiramente desconhecido. No entanto, assim que a bola começar a rolar, a gigante da tecnologia de Cupertino terá cada vez menos desculpas para não lançar um par de controladores de realidade virtual e remover algumas das restrições impostas.


Quando isso vai acontecer, nós não sabemos, mas é o estilo da Apple deixar de lado recursos muito desejados e, eventualmente, lança-los de forma inesperada.






3 visualizações

Kommentare


bottom of page