top of page

6 exemplos do metaverso para entender e mergulhar nele

Embora o termo tenha nascido em 1992 (no romance Snow crash de Neal Stephenson), o metaverso vem ganhando destaque nos últimos tempos. 

Abaixo temos alguns exemplos de como essa nova tecnologia pode impactar nosso dia a dia tanto no lazer quanto no profissional, além de ser um foco para a geração de novos empregos. 

  

  • Second Life: Criado em 2003 é considerado por muitos especialistas como o primeiro caso de metaverso virtual, uma plataforma onde basta se registar e criar um avatar para ingressar nesta segunda vida.  Os usuários do Second Life são conhecidos como residentes e podem explorar milhares de experiências e comunidades virtuais nas quais, conforme explicado no próprio site, existe a possibilidade de compartilhar sua história ou entrar em contato com outras pessoas com experiências semelhantes à sua.  Existe também um mercado virtual que pode oferecer benefícios reais numa economia virtual.  A título de curiosidade, até alguns países (sendo as Maldivas, a Suécia e a Estónia os três primeiros, todos eles em 2007) têm escritórios diplomáticos no Second Life. 

 

  • Roblox: Criado em 2004 como um videogame online e plataforma de criação de jogos, o Roblox evoluiu para uma plataforma de metaverso que continua a crescer, permitindo aos usuários criar, jogar e negociar no ambiente virtual.  O desenvolvimento do Roblox tem atraído desenvolvedores e empresas de tal forma que está permitindo até que desenvolvedores ganhem dinheiro com suas criações, dinheiro esse que podem gastar na própria plataforma ou cobrar por ela.  Assim, uma possível definição desta plataforma é uma combinação de motor de jogo, ferramentas de desenvolvimento e loja online de jogos. 

 

  • Pokémon Go: Em 2016, Pokémon Go revolucionou o mundo.  Esse videogame de realidade aumentada para celulares baseado em geolocalização levou milhões de pessoas a procurar e capturar personagens da saga Pokémon encontrados em locais do mundo real.  Ao contrário de outros metaversos, a Niantic (empresa que criou o Pokémo Go e suas evoluções posteriores) fala em um “metaverso do mundo real” em que elementos virtuais são adicionados ao mundo físico com a ajuda da câmera do celular e sem a necessidade de dispositivos específicos.  

 

  • Meta: O anúncio da reconversão do Facebook em Meta no final de 2021 com foco no desenvolvimento do metaverso fez com que esse termo atingisse níveis altíssimos de popularidade.  Como explicam no seu site, na sua perspectiva “o metaverso não será apenas para jogadores ou desenvolvedores, será para todos” com uma estimativa de que na próxima década atingirá um bilhão de pessoas.  Para atingir estes níveis de popularidade, a intenção da empresa é torná-lo um espaço onde possam ser realizados diversos tipos de atividades, desde reuniões de trabalho, assistir a concertos, conversar com amigos ou jogar videojogos. 

 

  • Telefônica na MWC: 2023 permitiu aos usuários fazer um tour virtual pelo estande da operadora por meio de um computador ou óculos de realidade virtual por meio da Spatialplatform.  Graças a esta recriação virtual do espaço físico, os visitantes virtuais puderam conhecer detalhadamente as demos que a empresa apresentou na feira, acompanhar ao vivo as apresentações ou contar com o apoio de um guru da tecnologia que ajudou a tirar dúvidas dos utilizadores. 

  

  • Experiência Imersiva Movistar: A Movistar criou seu próprio mundo virtual: Movistar Immersive Experience. Uma recriação de uma ‘Movistar City’ na qual os usuários podem interagir com amigos e outros usuários para conhecer os produtos e serviços oferecidos pela Movistar neste espaço virtual. Aqui você pode jogar futebol de forma interativa ou navegar e jogar no mundo envolvente criado pelo artista Okuda San Miguel, entre muitas outras opções. 

 

 

A evolução do metaverso (ou mais especificamente dos diferentes metaversos) depende de muitas características. Não é, de forma alguma, um conceito homogêneo. 

 

19 visualizações

Comments


bottom of page