top of page

Simulações de realidade virtual podem ajudar pessoas com autismo a realizar tarefas do mundo real, segundo um novo estudo.

O pesquisador da Universidade de Missouri Noah Glaser - em colaboração com Matthew Schmidt, professor associado da Universidade da Geórgia, e outros - fez parceria com um programa da Universidade de Cincinnati em dois estudos voltados para fornecer a pessoas autistas oportunidades de treinamento virtual para praticarem o uso de um ônibus público para se locomover pela cidade. 

Usando inteligência artificial (IA), a equipe de investigação descobriu que as pessoas com autismo muitas vezes vivenciam o seu ambiente de forma diferente dos seus pares neurotípicos, e que a sua atenção e padrões de olhar são frequentemente desviados devido a desafios de processamento sensorial em ambientes super estimulantes.  As descobertas abrem caminho para pesquisas futuras que exploram como as simulações de realidade virtual podem fornecer um espaço seguro para praticar várias tarefas e ajudar indivíduos com autismo a aumentar sua autoconfiança e envolvimento comunitário.   

“Há uma abundância de pesquisas relacionadas ao autismo na indústria médica, mas queremos mostrar como intervenções além da medicina podem ajudar as pessoas autistas a se sentirem mais confortáveis ​​na sociedade”, diz Noah Glaser, professor assistente da Faculdade de Educação da Universidade de Missouri e Desenvolvimento Humano.  

Um estudo examinou como um grupo de jovens adultos com autismo navegava em um sistema de ônibus no campus.  Para coletar dados, Glaser e sua equipe criaram uma simulação de realidade virtual que é uma réplica exata do campus e do sistema de transporte de uma universidade. Eles usaram uma técnica de IA conhecida como “visão computacional” – ou a capacidade dos computadores de detectar objetos e tomar decisões informadas – para analisar como os participantes usando o headset de realidade virtual observaram objetos físicos ao longo de sua jornada virtual pelo campus até o ponto de ônibus. Eles então compararam esses dados com usuários neurotípicos para ver quais diferenças poderiam existir.  

“Sabemos que indivíduos neurodiversos muitas vezes enfrentam desafios de processamento sensorial, e certos ambientes – como ir a um ponto de ônibus em um campus universitário movimentado – podem ser superestimulantes e indutores de ansiedade”, diz Glaser. “Se pudermos identificar quais objetos distraíram mais os alunos neurodiversos ao longo de sua jornada e quais objetos foram mais atendidos, poderemos manipular ou reduzir esses estímulos extras em um ambiente seguro e controlado antes que os participantes tentem essa atividade no mundo real”. 

 Parte da simulação virtual envolveu um instrutor modelando as habilidades que os participantes acabariam realizando na vida real em uma visita guiada ao ponto de ônibus virtual. 

“Este projeto nos ajuda a compreender melhor a natureza da interação humano-computador de um grupo de usuários que normalmente fica de fora dessas conversas”, diz Glaser. “Precisamos de mais pesquisas com indivíduos neurodiversos para entender melhor como eles interagem com ambientes de aprendizagem de realidade virtual, para que possamos adaptar as intervenções para se tornarem mais acessíveis”.  

A pesquisa é apenas a ponta do iceberg para examinar como a IA e os simuladores de realidade virtual podem ajudar profissionais de educação especial, especialistas em intervenção e designers instrucionais a apoiar indivíduos neurodiversos, diz Glaser. 

“No futuro, podemos usar essas ferramentas para ajudar a fornecer oportunidades de treinamento para alunos neurodiversos que estão interessados ​​em segurança cibernética e áreas relacionadas à ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM)”, diz Glaser. “Essas são indústrias que historicamente têm sido gravemente sub-representadas em pessoas com deficiência e indivíduos neurodiversos.”  

Glaser diz que espera que os seus esforços possam ajudar a traduzir as competências que os alunos neurodiversos adaptam virtualmente para o mundo real, o que melhorará tanto a sua própria autoconfiança como as suas contribuições para a sociedade em geral.  

“Este trabalho pode gerar mais oportunidades para promover ambientes de aprendizagem inclusivos e uma melhor compreensão de como os indivíduos neurodiversos usam e interagem com a tecnologia. Quando as intervenções de aprendizagem estão sendo desenvolvidas, é importante incluirmos indivíduos neurodiversos como parte do processo de design.”  

Os estudos são publicados na revista Computers & Education: X Reality.  Coautores adicionais são da Universidade da Geórgia e da Universidade de Cincinnati. 

 

19 visualizações

コメント


bottom of page